Parque Estadual do Vale do Codó

Parque Estadual do Vale do Codó (PEVC)

 

Localização:
Jaguariaíva

Horário de Atendimento:
De segunda a sexta das 9h às 18h.

Gerente:
Elífaz Harã

Contato:
E-mail: elifaz@iat.pr.gov.br
Telefones: (41) 3213-3463

Como chegar:

O acesso à região do Parque Estadual Vale do Codó pode ser feito pela rodovia PR-151. Partindo de Ponta Grossa, no sentido Sengés, nas proximidades da área urbana do município de Jaguariaíva, no km 211 é possível adentrar numa estrada vicinal, sem pavimentação.

 

 

A Unidade de Conservação localiza-se no município de Jaguariaíva, na região dos Campos Gerais do Paraná e possui uma área de aproximadamente 760 hectares. Na região do PEVC pôde-se constatar a existência de diversas feições geológico-geomorfológicas, as quais são de importância geoturística.

Em relação ao aspecto hidrográfico do PEVC a região é cortada pelos rios Lajeado Grande e Jaguariaíva. Ambos os cursos fluviais possuem vales com paredes abruptas formando canyons onde ocorrem afloramentos do arenito Furnas.

Com uma extensão de aproximadamente 9 km e um paredão de pedras, de mais ou menos 20 metros de altura, por ele corre o Rio Jaguariaíva, uma verdadeira dádiva da natureza.

O vale é margeado por uma mata virgem e espessa, viveiros de várias espécies de animais. Aproveitando os acidentes geográficos do local, por necessidade e sem destruir a natureza, o Frigorífico das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo, instalada em nosso município e proprietária da área em 1943, construiu uma represa e usina para geração de energia para a fábrica. A represa contribuiu ainda mais para a beleza do Vale, surgindo um grande lago, ladeado por muralhas de pedra em toda a sua extensão.

 

O Parque Estadual Vale do Codó é marcado por cachoeiras e cânions. O cânion do rio Lajeado Grande possui aproximadamente 450 metros de extensão e desnível de aproximadamente 50 metros. O rio Lajeado Grande possui aproximadamente 12 quilômetros de extensão, sendo que o cânion ocorre próximo de sua foz, no rio Jaguariaíva.

As principais cachoeiras que ocorrem na região são a Cachoeira do Véu da Noiva, Cachoeira do Lago Azul e Cachoeira das Andorinhas. Estas cachoeiras situam-se no rio Lajeado Grande, afluente da margem direita do rio Jaguariaíva. A primeira possui um desnível de aproximadamente 50 metros, a segunda de aproximadamente 20 metros e, finalmente a terceira um desnível de 15 metros.

 

No Parque Estadual do Vale do Codó a vegetação é composta por campos nativos, campos rupestres, cerrado e ecossistemas associados, além dos remanescentes de Floresta Ombrófila Mista ou Floresta de Araucária. Na região do Parque existem remanescentes de vegetação de campos (Estepe GramíneoLenhosa) associados a matas ciliares (Floresta Ombrófila Mista) que ocorrem nas margens dos rios Lajeado Grande e Jaguariaíva.

Uma grande diversidade de espécies de peixes compõe a fauna do Parque, como por exemplo, bagre, cará, carpa, cascudo, mandi e lambari, que são encontradas em quase toda a extensão do rio no Vale do Codó. Em alguns pontos do Vale do Codó também podem ser encontrados cascudo e dourados.

 

Como não há lanchonete no Parque, é muito importante levar água e lanches. Calçados adequados e confortáveis, roupas leves, protetor solar, repelente, chapéu e máquina fotográfica são importantes para uma boa caminhada.

Atividades proibidas:

  • Churrasco
  • A entrada de animais domésticos;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Porte de facas, facões, foices, assim como de quaisquer outras ferramentas manuais de corte, armas de fogo, motosserras e equipamentos que causem distúrbios sonoros na área;
  • Coletar, depredar, entalhar e desgalhar as espécies arbóreas mantidas nas diversas áreas do Parque.
  • A prática de atos que possam provocar incêndios na área;
  • Caçar, pescar, coletar e apanhar peças do meio físico e de espécimes da flora e da fauna em todas as zonas de manejo, ressalvadas aquelas com finalidades científicas, desde que autorizadas pelo IAT - Diretoria de Patrimônio Natural (DPN);
  • Alimentar e assustar os animais;
  • Traga seu lixo de volta;
  • Procure andar sempre em grupos pequenos;
  • Procure andar em silêncio, contemple a natureza, tire apenas fotografias;
  • Qualquer dano promovido pelo visitante sujeitará o mesmo às sanções previstas na legislação ambiental vigente.