Rio Vivo

O Projeto Rio Vivo, lançado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), em parceria com Instituto Água e Terra (IAT), e executado pela Superintendência de Pesca e Bacias Hidrográficas, visa a preservação da vida aquática nas 16 bacias hidrográficas do Estado, oferecendo melhores condições para seu desenvolvimento, exploração de suas vocações, melhoria social das populações lindeiras e conservação ambiental.

 

 Resultados / Expectativa:

Com a participação de alunos de escolas locais e apoio de outros órgãos, são promovidas solturas de peixes e plantios de mudas nativas em diversas regiões do Paraná. Iniciativa exemplo em sustentabilidade, promovendo a recomposição da ictiofauna e educação ambiental.

2020: ações impactadas pela pandemia. Ocorreram apenas poucas solturas alusivas.

2021: com a Resolução Sedest/IAT nº 10/2021, de abril de 2021, alcançou-se a meta de 1,6 milhão de peixes nativos soltos. A regulamentação das solturas (estocagem) de peixes busca minimizar danos ambientais com contaminações por espécies não nativas, degeneração genética por consangüinidade e zoonozes.

2022: o projeto já ultrapassou a meta inicial de 2,6 milhões de peixes nativos soltos até final do ano. 

Para as solturas foram adquiridos exemplares com tamanho “juvenil”, o que aumenta sobremaneira sua sobrevivência, diminuindo as grandes perdas por predação inevitáveis quando as ações são feitas com alevinos. 

 

 Resolução Sedest/IAT nº 10/2021:

Ela define normas para estocagem e repovoamento de peixes.

O objetivo é proteger a fauna silvestre e o ambiente natural contra espécies invasoras. De acordo com a Resolução, é proibido povoar com espécies exóticas ou invasoras. A introdução de espécies do Brasil, mas não originárias do local especificamente (alóctones), é passível de autorização mediante análise e estudo de impacto ambiental na região.

Exótica: espécie presente em determinada área geográfica, da qual não é originária, tendo sido introduzida pelo homem. Vem de outro país e a introdução ou dispersão podem ameaçar a diversidade biológica local.

Alóctones: espécies presentes em um outro ecossistema ou área geográfica, mas originárias do mesmo país, espécie, subespécie de hierarquia inferior, ocorrendo fora de sua área de distribuição natural, porém, com capacidade de sobreviver e reproduzir-se.

A lista de espécies permitidas para e soltura em rios, mares e estuários no Paraná pode ser consultada na Resolução.

 Confira uma de nossas ações de soltura:

 

  • Rio Vivo
    Rio Vivo
    Foto: Alessandro Vieira

    Foto: Alessandro Vieira
    Rio Vivo
    Foto: Alessandro Vieira

    Foto: Alessandro Vieira
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Foto: Divulgação Sedest

    Foto: Divulgação Sedest
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo
    Rio Vivo